Segue o teu destino. Rega as tuas plantas. Ama as tuas rosas. O resto é a sombra de árvores alheias.

Segunda-feira, 17 de Novembro de 2008
Este Ministério já não tem emenda...

Os professores alertaram diversas vezes sobre o Estatuto do Aluno e a resposta desta Sr.ª Ministra foi sempre a mesma. Como ela parece ser a iluminada, nunca alterou nem uma vírgula. Porém, com apenas  alguns ovos  os alunos conseguiram levar a Ministra a recuar no artigo das faltas. Alterou o estatuto do aluno, num Domingo, e agora, independentemente do número de  faltas justificadas, os alunos não realizam a prova suplementar.  Diz ela que foi apenas um decreto que clarificou a situação, pois as escolas não souberam interpretar correctamente a Lei.

 

Pois é uma grande mentira. A Lei é clara e qualquer pessoa  que sabe ler a entende.

Aqui fica um link que contem os excertos dos artigos em causa retirados do Estatuto, para quem tiver tempo e paciência. É triste ver uma equipa que lança Leis mal feitas, não ouve ninguém e que depois em vez de assumir os erros, sacode a água do capote para cima dos outros. Fica-lhes muito mal esta atitude. Se há coisa que os professores aprenderam a fazer,  apesar de não serem juristas, é  a ler Leis, Decretos e etc.

 

Depois esta pequena alteração tem por detrás outro pormenor, não menos importante e que convem alertar. A Lei foi alterada por um decreto ministerial. Para a maioria das pessoas isto pode não ser relevante, mas é. Uma Lei que é votada na Assembleia da República, não pode ser alterada por um simples decreto assinado por um qualquer ministro. Os juristas do ministério devem andar a dormir. 

 

No jornal da Sic, felizmente, já ouvi que  CDS e o PSD estão já a par desta embrulhada. Paulo de Carvalho do CDS-PP veio dizer que: "Não é possível alterar uma lei através de um despacho. Se o Governo quer assumir que se enganou no Estatuto do Aluno e quiser alterá-lo deve fazê-lo apresentando uma proposta na Assembleia da República",

"A ministra tem que reconhecer que a lei que fez há um ano foi um erro manifesto. E tem que corrigir esse erro através de uma alteração à lei e não por despacho interpretativo".

 



publicado por maria mendonça às 23:20
link do post | comentar | favorito

Domingo, 16 de Novembro de 2008
Petição dos pais

Tive conhecimento ontem através de um comentário deixado aqui no blog da Quinta.

Uma petição dos pais e encarregados de educação em defesa pela escola  pública. Já várias vezes tinha apelado aos pais que esta também deverá ser uma luta deles. Unidos conseguiremos uma educação de excelência e não uma educação para a estatística. 

 

"Nós os Pais e Encarregados de Educação autores desta petição, nós os que frequentemente olhamos os nossos filhos enquanto brincam e se divertem, e invariavelmente os imaginamos daqui a muitos anos com os seus e os nossos sonhos, desejando que alcancem uma vida plena. Nós, aqueles que projectam para os seus filhos as competências para a participação numa sociedade de sucesso, e que neles vêem o futuro e a garantia de uma herança cultural colectiva; nós, esses mesmos, também temos uma palavra a dizer.

Na educação, claro! Uma palavra a dizer sobre as políticas educativas que finalmente parecem ter recuperado um país para a sua própria consciência e que nos provaram, afinal, que em Portugal a cultura de intervenção cívica não morreu. Esteve apenas adormecida por uma indiferença ao discurso político, muitas vezes medíocre, e que efectivamente apenas interessa a quem participa nos jogos de poder.

Afinal, quando altos valores se levantam, Portugal reage. Enfim, quando aqueles em quem foi delegado o poder legislativo se esquecem que a lei deve servir a quem neles delegou, Portugal recorda. Porventura, quando os dirigentes revelam não estar à altura da longa tradição de serviço público, Portugal protesta. Quando a falta de cultura social das elites políticas se revela e ultrapassa todos os limites, em matérias que hipotecam seriamente o futuro colectivo de uma nação, Portugal diz basta!!!

(...)

O assunto é demasiado sério, e merece algum cuidado.
Leia atentamente a petição, subscreva e divulgue.
Muito obrigado. "

 

Subscreva aqui.

 



publicado por maria mendonça às 21:32
link do post | comentar | favorito

Sábado, 15 de Novembro de 2008
Em pensamento... estou em Lisboa

Não podendo estar presente nesta manifestação, que está neste momento a acontecer, junto-me desta forma aos meus colegas.

Posso não estar presente mas estou, sem sombra, de dúvida de coração em pensamento. A Ministra está cada vez mais isolada, e a nossa luta ainda só agora começou. 

 

Força colegas! Unidos conseguiremos uma escola pública digna!

Ser professor  é um orgulho!

 



publicado por maria mendonça às 15:58
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 14 de Novembro de 2008
Falou o Presidente...

Presidente da República, Cavaco Silva finalmente pronunciou-se sobre o estado caótico da educação. Mas não disse muito.

Fez hoje um apelo "à serenidade" na educação e pediu que todos os intervenientes façam "um esforço de desanuviamento" para "ultrapassar os problemas".  Perante estas declarações acho que o Presidente não tem consciência da verdadeira situação que se vive dentro das escolas. Parece um barril de pólvora prestes a explodir, só falta acender-lhe o rastilho.  Por muita boa vontade que algumas pessoas ainda tenham em avançar com o processo da avaliação, ninguém sabe como.  A situação já não se ultrapassa com um simples esforço, esse esforço já foi feito. A nosso grito já é de desespero, Sr. Presidente ouça-nos, reúna uma equipa de trabalho para ter mais informação sobre o que se passa no interior.  A conversa da MLR de que o processo está a avançar serenamente nas escolas e que as escolas é que complicam, é mentira.

 

Condenou ainda "inequivocamente" os "desacatos e os insultos protagonizados por alguns alunos" nos últimos dias.

Concordo que os desacatos e a postura dos alunos não foi a melhor. Certamente não foi a escola que lhes ensinou a agir assim. Ensino os meus alunos que os conflitos devem ser ultrapassados com respeito pelos outros e com muito dialogo.

Ainda hoje de manhã alguns dos meus alunos faltaram para fazerem a famosa "greve", eu não sabia de nada. Questionei os presentes sobre a dita greve e entendi que não sabiam nada. Apesar de leccionar matemática parte da minha aula foi passada a explicar-lhes o que é uma greve, como se faz e que deve ser o último recurso. Que não se pode fazer greve só porque os outros fazem.  Mas depois disto, leio no Público declarações do Secretário de Estado, Valter Lemos, que alunos estão a ser “instrumentalizados”. Deixando no ar que são os professores que estão a servir-se dos alunos.  Mas alguma vez os professores desceriam tão baixo, ao ponto de  usar os alunos nas suas lutas? Abra os olhos, os alunos de hoje têm acesso a tanta informação como qualquer um de nós e têm cabeça para pensar.

 

Aliás, se alguém andou a instrumentalizar os alunos, foi o "Engenheiro" quando andou a oferecer os computadores aos alunos, no sentido de comprar votos futuros. Mas parece que se virou o feitiço contra o feiticeiro....

 



publicado por maria mendonça às 18:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 13 de Novembro de 2008
Só isto?

Depois da nacionalizaçção do BPN,

do Alberto João Jardim ter avaliado todos os professores colocados na Madeira com bom por portaria,

da Sr.ª Ministra ter sido recebida em Fafe pelos alunos com ovos,

do Manuel Alegre ter declarado estar farto do "quero, posso e mando" da Ministra da Educação,

da Sr.ª Ministra ter ido à Assembleia pedir desculpa aos professores,

e da mega manifestação dos professores no sábado, reunindo 120mil docentes,

Cavaco Silva apenas vem lembrar que a manisfestação é um  direito constitucional.

 

 

Isso já nós sabiamos, pois ainda vivemos num país democrático.

Sr. Presidente, como professor,  é apenas isto que tem para nos dizer?  Já reparou na confusão que está o nosso ensino e as nossas escolas? Não terá também uma palavra a dizer sobre o assunto?

Acho que está na hora de falar aos portugueses.

 

 



publicado por maria mendonça às 10:05
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

Segunda-feira, 10 de Novembro de 2008
Olha, quem fala!

 

O passado sábado foi dia de manifestação dos professores contra o modelo de avaliação em vigor.

Logo nas primeiras horas da tarde era ver a Sra. Ministra a dizer que não alterava uma vírgula ao actual modelo, que tinha sido negociado com os sindicatos e quem não estava a cumprir com os compromissos assumidos eram os mesmos sindicatos que agora se manifestavam. Ora bem, uma das raras vezes em que a senhora estava certa e na qual tenho de concordar. Realmente os sindicatos têm o "rabo preso" porque cometeram o erro de assinar um famigerado memorando de entendimento, que não traduzia a vontade dos professores, que supostamente representam. Mas esquece-se a senhora que a manifestação demonstra o sentimento dos professores (pelos números de 85% dos professores) que não se revêem no acordo alcançado pelos sindicatos e que nunca concordaram com o mesmo. Para os sindicatos fica a lição de que quem negoceia com o "diabo" tem de arcar com as consequências. Diz a ministra que não tem confiança para negociar com quem não cumpre os compromissos assumidos.

 

 

E logo de seguida Sócrates diz, e cito,  "Será que é isso que a sociedade portuguesa deseja, isso honra essa parte, pior ainda, é que chegamos à conclusão que alguém assinou com intenção de não cumprir", referindo que o país precisa de "entendimentos, de negociações e de compromissos, que são para ser honrados". Mais uma das raras vezes em que estamos de acordo. Mas, de seguida, lembro-me logo de um pormenor curioso. Então este não é o governo, que após conquistar democraticamente uma maioria absoluta, pôs de lado a maior parte das promessas que havia feito em campanha? Aumentou os impostos, acabou com SCUTS, aumentou o desemprego, não criou os tão propalados 150.000 empregos, etc....

Realmente em termos de faltar ao combinado este governo PS tem também uma maioria absoluta.

Para finalizar tenho de dar os parabéns ao Sr. José Sócrates. Este governo PS conquistou mais uma meta, só não sei se era ambicionada ou não. De acordo com um artigo de um jornal de ontem, este governo acumulou 4 das 5 maiores manifestações já realizadas em Portugal. Apenas em 1980 houve uma maior. Mas nenhuma delas tinha apenas a representação de uma única classe de trabalhadores.

Obrigado José Sócrates.



publicado por maria mendonça às 09:24
link do post | comentar | favorito

Domingo, 9 de Novembro de 2008
Enchemos Lisboa...

Ontem, dia 8 de Novembro de 2008, nós, os professores enchemos Lisboa e fizemos história - A Maior Manifestação  de uma Única Classe.  A minha caminhada começou bem mais cedo do que a dos que residem na capital. Cerca das 8 horas estávamos já na porta da escola, mas muitos colegas de Chaves, Bragança, e de outros pontos do país estavam já  em viagem rumo à capital . Um bem haja a esses colegas, pois sei que fazer uma viagem longa depois de uma semana de trabalho, é feita com muito sacrificio. Sr.ª Ministra é a estes professores a quem chama de preguiçosos e de não quererem trabalhar?

Paragem na Praça Velásquez, para apanharmos os últimos colegas e o autocarro encheu. Éramos bem mais do que fomos em Março, por isso sabíamos  que seriamos mais que 100 mil.

Rumo a sul pela auto-estrada, começávamos a engrossar as fileiras. Fomos encontrando  autocarros de todos os pontos dos país.  Paramos em Fátima para comer o farnel e continuamos a viagem. Na chegada a Lisboa éramos mais uns, na imensidão de autocarros que aí já se encontrava. O Terreiro do Paço estava já quase repleto e com alguma dificuldade lá nos conseguíamos movimentar.

 

 

 Ouvimos um rol de discursos e começamos a marcha, lenta mas ruidosa. Levamos uns bombos para ver se nos fazíamos ouvir, pois já sabíamos que a Ministra é um pouco surda de ouvido.

Éramos imensos, um mar de gente, a PSP nem consegue adiantar um número, a organização avança com 120 mil.  Isto reflecte o estado de alma de cerca de 85% da classe, mas para a Ministra é só mais uma manifestação.

Em direcção ao Marques vimos muitos apoiantes da causa, pais inclusive e até alunos e ouvimos palmas de apoio à nossa passagem, obrigada a todos. Chegados ao Marquês, quase não tínhamos espaço para nos reunir e sabíamos que ainda havia colegas na Rua do Ouro.

Ouvimos o discurso e as críticas desta vez com muito mais  atenção e todos apoiamos que a luta tem de continuar, possivelmente com uma Greve para dia 19 de Janeiro. Pediram um minuto de silêncio, e foi o silêncio mais gritante e de apelo que todos nós fizemos. Cantamos o hino, com todo o  respeito, pois somos cidadãos portugueses e respeitamos a democracia ao contrário deste nosso Primeiro Ministro.  Desmobilizamos e retomamos o caminho de regresso.

No meio da avenida encontrei os colegas que lutam contra a prova de ingresso e pensei era ali que eu deveria estar, saudei-os com muita  força para que continuem.  Pois apesar de ter  trabalhado vários ano lectivos seguidos, nem sempre foi com horário completo, o que na prática quer dizer que talvez me  faltem uns dias para completar os cinco anos e ainda terei que realizar a mal afamada  prova. Irónico, eu que já corrigi exames, que já fui directora de turma, directora pedagógica do nocturno, delegada de grupo, com duas pós graduações na área do ensino, e avaliada no ano passado com Muito Bom, terei que realizar  três provas para continuar.

Sr.ª Ministra e Sr. Primeiro Ministro que provas realizaram para estarem nesses cargos? Nenhuma certamente "pá", pois senão teriam chumbado, "pá".

Sr.ª Ministra licenciada em sociologia, então com 120 mil vozes na rua e não retira nenhuma conclusão? Em que Universidade andou, afinal?

já noite dentro fiz o balanço do dia, foi com tristeza que lá estive pois preferia não ter que ir, mas regresso com o sentimento de dever cumprido.

Neste dia muitas lágrimas correram, assim não podemos continuar a ser professores, assim não somos mais professores.

No meio da avenida encontrei os colegas que lutam contra a prova de ingresso e pensei era ali que eu deveria estar, saudei-os com muita  força para que continuem.  Pois apesar de ter  trabalhado vários ano lectivos seguidos, nem sempre foi com horário completo, o que na prática quer dizer que talvez me  faltem uns dias para completar os cinco anos e ainda terei que realizar a mal afamada  prova. Irónico, eu que já corrigi exames, que já fui directora de turma, directora pedagogica do nocturno, delegada de grupo, com duas pós graduações na área do ensino, e avaliada no ano passado com Muito Bom, terei que realizar  três provas para continuar.

Srª Ministra e Srº Primeiro Ministro que provas realizaram para estarem nesses cargos? Nenhuma certamente "pá", pois senão teriam chumbado, "pá".

Srª Ministra licenciada em sociologia, então com 120 mil vozes na rua e não retira nenhuma conclusão? Em que Universidade andou, afinal?

Já noite dentro fiz o balanço do dia, foi com tristeza que lá estive pois preferia não ter que ir, mas regressei com o sentimento de dever cumprido.

Neste dia muitas lágrimas correram, assim não podemos continuar a ser professores, assim não somos mais professores.



publicado por maria mendonça às 20:08
link do post | comentar | favorito

Sábado, 8 de Novembro de 2008
Colegas, não fiquem em casa

 

 Da indignação à exigência: deixem-nos ser professores

 

 

 

Nunca pensei ir a manifestações, mas em Março vi-me obrigada a ir a Lisboa em luto pela educação. Surpreendemos o país com a maior concentração e 100 mil professores marcharam na marcha da indignação. Nunca estivemos tão unidos, mesmo assim no final do dia e ainda antes do regresso a casa, vimos na televisão a Srª Ministra dizer que nada mudaria, mas afinal mudou algumas coisas.  Viemos tristes mas com o sentimento de dever cumprido.

Amanhã, regresso novamente com mais colegas vindos de todos os cantos do país, será mais um passo. Acredito que seremos muitos, talvez até mais que 100 mil. Para quem se desloca do Norte do país, é um dia duro, cansativo mas por um ideal vamos até onde for necessário.

O meu último apelo é feito aos colegas. Não fiquem em casa, juntem-se a nós e  participem activamente na defesa de um processo de avaliação exequível e de uma escola pública de qualidade sem facilitismos.

Acredito que será mais um dia histórico e até o S. Pedro nos apoia.

 

14.30 horas: Concentração no Terreiro do Paço
15.00 horas: Plenário Nacional de Professores
16.00 horas: Manifestação Nacional que passará por Rossio, Restauradores, Avenida da Liberdade e Marquês de Pombal
17.30 horas: Aprovação da Resolução da Manifestação e encerramento da iniciativa.

 

Gostava que os pais e encarregados de educação estivessem a apoiar-nos, esta luta também é deles. Certamente, alguns estarão, como estiveram em Março. Muito obrigada

 



publicado por maria mendonça às 14:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sexta-feira, 7 de Novembro de 2008
O Norte em grande

 

O SPN está a levar a cabo a maior operação logística da sua história.

A cada dia, a cada hora, a cada minuto, a cada segundo... São milhares (mais de onze mil!!!) os Professores do Norte inscritos para viajarem até Lisboa com o SPN.

Estão  com 257 autocarros cheios.

 

Mais números:

Autocarros até ao dia 6 de Novembro:
SPN: Março foram 216, agora 278!
SPRC: Março foram 80, agora 142!!
SPGL: Em Março foram 39,hoje já são 58
SPZS: Março - 38,agora são 47-
Outras Organizações - 185!
 

Seremos mais que 100 mil, Srª Ministra!! Obrigada por contribuir para a união da classe!



publicado por maria mendonça às 23:57
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 3 de Novembro de 2008
No recaldo do fim de semana

Afinal as minhas suspeitas sobre o BPN confirmaram-se.

Mas em vez de se deixar falir o banco em questão, Teixeira dos Santos decidiu nacionaliza-lo. Ao fim de 33 anos é a primeira nacionalização da banca.  Mais uma vez o Governo mentiu quando anteriormente afirmou que  os bancos nacionais passariam ao largo da crise internacional.

Vitor Constâncio, governador do  Banco de Portugal, vem hoje dizer que identificou operações no BPN de "centenas de milhões de euros que eram clandestinas", e que não estavam contabilizadas nas contas do banco (via Público). Estes factos, segundo Constâncio, só foram descobertos recentemente, mas quem se movimenta no meio financeiro há muito que sabe das ilegalidades cometidas por este banco. E o que andava ele a fazer entretanto? Não é ao governador do Banco de Portugal que competia fiscalizá-lo?  E os administradores sairão impunes desta situação toda?  

 

A campanha eleitoral  nos EUA está a chegar ao fim e gastam-se as últimas forças, terça-feira será um dia longo e de olhos colados aos écran.  Se as sondagens se confirmarem será um dia histórico, o primeiro presidente negro da história dos EUA.

 

No meio disto tudo, espero que a comunicação social não se esqueça que sábado será um grande dia para todos os professores. Após o entendimento entre movimentos e sindicatos será  uma manifestação única, de professores unidos lutando por um único objectivo: um processo de avaliação exequível e uma escola pública de qualidade sem facilitismos.

 

Apelo a todos os colegas dia 8 participem, todos não somos de mais


Pela dignidade da profissão docente
Pela qualidade do ensino

Pelo sucesso escolar
Por uma sociedade democrática e justa

 



publicado por maria mendonça às 09:22
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 31 de Outubro de 2008
Cimeira da Computerware

Ver o nosso Primeiro Ministro a distribuir  Magalhães na Cimeira Ibero-Americana é mesmo degradante.  Ele faz  propaganda ao produto, como se fosse um vendedor de informática, e oferece-os como brindes para experimentarem em casa, para ver se os convence a comprar o produto. Será que recebe comissão por cada um vendido?

Digam lá que não parece uma reunião da  tupperware, mas neste caso computerware.

 

Agora a sério, devia era ter vergonha porque os presidentes e representantes dos 22 países participantes  não estão lá para ver os produtos, mas debater estratégias para sair desta  crise financeira global. Na realidade o tema principal é a juventude mas  os discursos falam da crise mundial,  pois é o assunto que preocupa todos os  intervenientes. Melhor dizendo, todos não, excepto o nosso Primeiro pois a única preocupação foi levar os Magalhães. Talvez ele não sinta a crise mas nós todos sentimos.

 

Depois o discurso dele é caricato, disse  "só a educação permite o sucesso económico", não seria antes, só uma educação de qualidade permite o sucesso económico?  É que esta educação do facilitismo que não premeia o mérito,  não leva a sucesso nenhum, pelo contrário cria um bando de parasitas da sociedade que vive à custa de esquemas e que não quer trabalhar e não produz nenhuma riqueza para o país. 

De seguida afirmou: "o investimento em educação é aquele que pode oferecer um maior retorno, uma maior igualdade de oportunidades aos jovens e ser um trunfo importante de inclusão e participação na vida democrática".

É estranho que fale de investimento  na educação quando anda de costas voltadas aos professores e de ouvidos moucos. Por muito que lhe custe,  são eles quem mais sabe de educação e não uns pedagogos  cheios de ideias do Ministério mas que nunca colocaram um pé dentro de uma sala de aula.

Quanto à igualdade de oportunidades dos jovens, não vai conseguir com esta escola pública que anda a construir e isso comprova-se facilmente observando o topo do ranking das escolas, só escola privadas. Cada vez mais as públicas estão a descer, porque será? Se é este o investimento que vai trazer mais igualdade de oportunidades a todos os jovens, fique mas é quietinho. Cada vez mais nas escolas só estão os filhos de quem não tem dinheiro para pagar um colégio privado, isto tudo fruto da reforma  atabalhoada que anda a fazer.

A participação dos jovens na vida democrática cada vez mais será difícil, uma vez que parte destes alunos serão, como disse em cima, parasitas que viverão do RSI que o estado lhes proporciona todos os meses sem terem de fazer nada. Estes jovens, nunca assinarão moções, nem abaixo-assinados, nunca colocarão nada em causa, serão facilmente manipuláveis através da televisão e com publicidade camuflada nos jornais, nunca se irão opor às políticas dos governos e votarão num qualquer partido desde que este lhes ofereça gadgets e mais uns trocos de abono.

 

 

 



publicado por maria mendonça às 09:10
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008
Dias cinzentos...

Apesar de estarmos no Outono e de lá fora existirem folhas com cores maravilhosas, para mim parece que estamos no Inverno!!

Com a mudança da hora os dias parecem mais curtos, a temperatura desceu e os casacos compridos  já desceram do sótão, pois ontem de manhã, estavam 9ºC. Estivemos em alerta amarelo por causa das fortes rajadas de vento, muitas coisas tiveram que ser  retiradas do jardim para evitar estragos. Ontem à noite, não resisti e acendi a lareira, pareceu-me Inverno.  

Nem me apetece escrever, tal o Inverno que sinto!

Mas desenganem-se que não é a meteorologia que me faz sentir assim, mas o clima que se vive nas escolas.  Os pedidos de reforma aumentaram imenso, entendo perfeitamente quem se quer vir embora. Assim não podemos continuar a dar aulas e quem pode sair e abandonar a escola, está a fazê-lo. Como eu os entendo.

Depois de saber que  Conselho Executivo da Escola Básica 2, 3 de Santa Maria, em Beja, demitiu-se "saturado" com casos de violência, de saber que inúmeros  docentes  se organizam em abaixo-assinados e moções dirigidos aos Conselhos Pedagógicos,   escolas que suspendem o processo de  avaliação em busca de esclarecimentos, o que espera a Ministra para vir dar a cara? Para explicar a todos o que anda a correr mal, ou prefere continuar a dizer que o processo de avaliação avança sereno e que todas as escolas estão a trabalhar?

Em vez disso saiu a notícia que "Quase todas as escolas do básico tiveram média positiva nas provas nacionais", eu também sei como fazer para os meus alunos terem bons resultados na minha avaliação, mas eu prefiro que seja por mérito deles. Facilitismo nas avaliações, exames e afins, são uma forma de enganar os alunos, os pais e este modelo de  avaliação que o Ministério adoptou. Trabalhar para a estatística, para o número, para mostrar bons resultados parece ser o lema deste governo, enganando as pessoas com Magalhães e migalhas.

A data da manifestação aproxima-se e não me parece haver entendimento entre nós, os professores andam divididos, aparentemente, pois a luta é de todos. Apesar de ter anteriormente apelado a uma manifestação no dia 15, estarei na do dia 8, pois do Norte a Lisboa ainda são muitos quilómetros e só poderei estar numa. Temos de ser racionais, deixar o orgulho e caminhar todos lado a lado. Entendo e subscrevo o Apelo efectuado por Paulo Guinote, João Madeira e Constantino Piçarra, deve ser feita uma concentração de esforços na luta que é comum a todos, por um ensino de excelência, uma escola pública de qualidade e por uma profissão nobre, digna e  reconhecida.

 

Uma reflexão de uma professora cansada, desiludida e profundamente aborrecida com tudo.

 



publicado por maria mendonça às 10:18
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 10 de Outubro de 2008
Pelo Ensino Público...

 

"Não queremos pressionar a senhora ministra (ao contrário do que o Ministério faz às escolas e aos professores...). Mas se na reunião de terça-feira, dia 14, no ME, não tivermos respostas objectivas para os graves problemas que afectam os educadores e professores, haverá, certamente, um reforço da luta e uma grande acção nacional, de protesto,  já no próximo mês de Novembro", garantiu Mário Nogueira na conferência de imprensa realizada ao fim da tarde desta sexta-feira, 10 de Outubro, em Lisboa." 

 

In Página Web da FENPROF de hoje 

 




Nota: 
O tempo sofreu hoje uma enorme aceleração. Os sindicatos finalmente ouviram os professores. O resultado foi uma aceleração do tempo. Na próxima 2ª feira, dia 13/10, há reunião da Plataforma Sindical. A FENPROF vai propor às outras federações e organizações sindicais uma grande acção nacional de rua, a realizar em Novembro. 
Na quarta-feira, dia 14/10, a FENPROF reúne com a ministra da educação, a quem fará um ultimato: ou corrige as ilegalidades que estão a ser cometidas e recua na gestão escolar, na avaliação de desempenho e nas alterações aos concursos ou os sindicatos renunciam ao memorando de entendimento e   promoverão uma grande marcha de professores em Novembro.


Divulga este post.

A luta está de novo a chegar.

O momento é de unidade e de mobilização. Faz a tua pequena parte: divulga, mobiliza e participa na organização,  no MUP, no Umbigo e no ProfAvaliação. Não te deixes humilhar.

 

Via ProfAvaliação

 

 

 



publicado por maria mendonça às 23:56
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 9 de Outubro de 2008
É uma atrás de outra....

Deste governo já não espero nada de bom  e não vale a pena atirar-me areia para os olhos, então não é que andam a mandar as contas das ligações dos Magalhães à internet para as Autarquias.

Fazer pura propaganda, dar prendas aos meninos  e mandar parte da factura aos outros, não é nada de bom tom. Então Senhora Ministra, com que então  decide, oferece e os outros que assumam  as responsabilidades. Que falta de educação!

A Associação Nacional de Municípios Portugueses já reuniu ontem de emergência e aconselhou hoje as autarquias a não pagarem as facturas que estão a receber, via Público.

Força Autarquias, não baixem os braços! Senão ainda eu vou pagar a ligação de algum papá para se divertir...



publicado por maria mendonça às 22:57
link do post | comentar | favorito

Domingo, 5 de Outubro de 2008
Dia do Professor

 

                                                                                                                                                                          

 

Hoje é o dia de homenagem a todos os professores. Primeiramente, uma homenagem sentida a todos os meus professores, a eles devo o que sou hoje como ser humano.

Sempre considerei a minha profissão como sendo uma das mais nobres missões. Foi devido à transmissão de conhecimentos entre gerações que evoluimos como humanos, por isso para mim nada existe de mais nobre que ensinar aos meus alunos tudo aquilo que sei e ao mesmo tempo aprender com eles. Mas o sentimento que reina dentro das escola é de desanimo, cansaço, tristeza e desencanto pelo ensino. 

 

Horas, que antes seriam dedicadas à preparação das nossas  aulas e no fundo dedicadas aos nossos alunos, são agora roubadas para nos dedicarmos a fazer grelhas de observação, critérios e parâmetros para a nossa própria avaliação, reuniões e reuniões a debatermos assuntos que nada têm a ver com os nossos alunos. Mas afinal a quem devo eu dedicar o meu tempo, não será aos meus alunos?

Por tudo isto, e atendendo ao clima que se vive dentro das nossas escola, hoje o blog está de luto. Resta-me uma palavra de solidariedade e de esperança a todos os colegas que ao lerem este post se revejam nele, somos muitos a sentir na pele o não reconhecimento da nossa profissão mas não nos iremos deixar abater, pelos nossos alunos continuaremos a transmitir os nossos conhecimentos e a fazer o nosso melhor, o futuro a eles pertence.

Está nas nossas mãos mudarmos o rumo da educação.

 

                                                                                                                                                                          

 



publicado por maria mendonça às 14:25
link do post | comentar | favorito

posts recentes

Lá fora...

Um dia triste, dia de gre...

Educação em greve...

Dia Mundial do Professor ...

Uma aventura no Ministéri...

Manifesto: A escola não p...

Tantos e tão poucos...

No Circo...

Eu já encomendei

Agressão à Ministra Chile...

pesquisar
 
subscrever feeds
tags

todas as tags

arquivos
links
mais sobre mim