Segue o teu destino. Rega as tuas plantas. Ama as tuas rosas. O resto é a sombra de árvores alheias.

Segunda-feira, 10 de Novembro de 2008
Olha, quem fala!

 

O passado sábado foi dia de manifestação dos professores contra o modelo de avaliação em vigor.

Logo nas primeiras horas da tarde era ver a Sra. Ministra a dizer que não alterava uma vírgula ao actual modelo, que tinha sido negociado com os sindicatos e quem não estava a cumprir com os compromissos assumidos eram os mesmos sindicatos que agora se manifestavam. Ora bem, uma das raras vezes em que a senhora estava certa e na qual tenho de concordar. Realmente os sindicatos têm o "rabo preso" porque cometeram o erro de assinar um famigerado memorando de entendimento, que não traduzia a vontade dos professores, que supostamente representam. Mas esquece-se a senhora que a manifestação demonstra o sentimento dos professores (pelos números de 85% dos professores) que não se revêem no acordo alcançado pelos sindicatos e que nunca concordaram com o mesmo. Para os sindicatos fica a lição de que quem negoceia com o "diabo" tem de arcar com as consequências. Diz a ministra que não tem confiança para negociar com quem não cumpre os compromissos assumidos.

 

 

E logo de seguida Sócrates diz, e cito,  "Será que é isso que a sociedade portuguesa deseja, isso honra essa parte, pior ainda, é que chegamos à conclusão que alguém assinou com intenção de não cumprir", referindo que o país precisa de "entendimentos, de negociações e de compromissos, que são para ser honrados". Mais uma das raras vezes em que estamos de acordo. Mas, de seguida, lembro-me logo de um pormenor curioso. Então este não é o governo, que após conquistar democraticamente uma maioria absoluta, pôs de lado a maior parte das promessas que havia feito em campanha? Aumentou os impostos, acabou com SCUTS, aumentou o desemprego, não criou os tão propalados 150.000 empregos, etc....

Realmente em termos de faltar ao combinado este governo PS tem também uma maioria absoluta.

Para finalizar tenho de dar os parabéns ao Sr. José Sócrates. Este governo PS conquistou mais uma meta, só não sei se era ambicionada ou não. De acordo com um artigo de um jornal de ontem, este governo acumulou 4 das 5 maiores manifestações já realizadas em Portugal. Apenas em 1980 houve uma maior. Mas nenhuma delas tinha apenas a representação de uma única classe de trabalhadores.

Obrigado José Sócrates.



publicado por maria mendonça às 09:24
link do post | comentar | favorito

Domingo, 9 de Novembro de 2008
Enchemos Lisboa...

Ontem, dia 8 de Novembro de 2008, nós, os professores enchemos Lisboa e fizemos história - A Maior Manifestação  de uma Única Classe.  A minha caminhada começou bem mais cedo do que a dos que residem na capital. Cerca das 8 horas estávamos já na porta da escola, mas muitos colegas de Chaves, Bragança, e de outros pontos do país estavam já  em viagem rumo à capital . Um bem haja a esses colegas, pois sei que fazer uma viagem longa depois de uma semana de trabalho, é feita com muito sacrificio. Sr.ª Ministra é a estes professores a quem chama de preguiçosos e de não quererem trabalhar?

Paragem na Praça Velásquez, para apanharmos os últimos colegas e o autocarro encheu. Éramos bem mais do que fomos em Março, por isso sabíamos  que seriamos mais que 100 mil.

Rumo a sul pela auto-estrada, começávamos a engrossar as fileiras. Fomos encontrando  autocarros de todos os pontos dos país.  Paramos em Fátima para comer o farnel e continuamos a viagem. Na chegada a Lisboa éramos mais uns, na imensidão de autocarros que aí já se encontrava. O Terreiro do Paço estava já quase repleto e com alguma dificuldade lá nos conseguíamos movimentar.

 

 

 Ouvimos um rol de discursos e começamos a marcha, lenta mas ruidosa. Levamos uns bombos para ver se nos fazíamos ouvir, pois já sabíamos que a Ministra é um pouco surda de ouvido.

Éramos imensos, um mar de gente, a PSP nem consegue adiantar um número, a organização avança com 120 mil.  Isto reflecte o estado de alma de cerca de 85% da classe, mas para a Ministra é só mais uma manifestação.

Em direcção ao Marques vimos muitos apoiantes da causa, pais inclusive e até alunos e ouvimos palmas de apoio à nossa passagem, obrigada a todos. Chegados ao Marquês, quase não tínhamos espaço para nos reunir e sabíamos que ainda havia colegas na Rua do Ouro.

Ouvimos o discurso e as críticas desta vez com muito mais  atenção e todos apoiamos que a luta tem de continuar, possivelmente com uma Greve para dia 19 de Janeiro. Pediram um minuto de silêncio, e foi o silêncio mais gritante e de apelo que todos nós fizemos. Cantamos o hino, com todo o  respeito, pois somos cidadãos portugueses e respeitamos a democracia ao contrário deste nosso Primeiro Ministro.  Desmobilizamos e retomamos o caminho de regresso.

No meio da avenida encontrei os colegas que lutam contra a prova de ingresso e pensei era ali que eu deveria estar, saudei-os com muita  força para que continuem.  Pois apesar de ter  trabalhado vários ano lectivos seguidos, nem sempre foi com horário completo, o que na prática quer dizer que talvez me  faltem uns dias para completar os cinco anos e ainda terei que realizar a mal afamada  prova. Irónico, eu que já corrigi exames, que já fui directora de turma, directora pedagógica do nocturno, delegada de grupo, com duas pós graduações na área do ensino, e avaliada no ano passado com Muito Bom, terei que realizar  três provas para continuar.

Sr.ª Ministra e Sr. Primeiro Ministro que provas realizaram para estarem nesses cargos? Nenhuma certamente "pá", pois senão teriam chumbado, "pá".

Sr.ª Ministra licenciada em sociologia, então com 120 mil vozes na rua e não retira nenhuma conclusão? Em que Universidade andou, afinal?

já noite dentro fiz o balanço do dia, foi com tristeza que lá estive pois preferia não ter que ir, mas regresso com o sentimento de dever cumprido.

Neste dia muitas lágrimas correram, assim não podemos continuar a ser professores, assim não somos mais professores.

No meio da avenida encontrei os colegas que lutam contra a prova de ingresso e pensei era ali que eu deveria estar, saudei-os com muita  força para que continuem.  Pois apesar de ter  trabalhado vários ano lectivos seguidos, nem sempre foi com horário completo, o que na prática quer dizer que talvez me  faltem uns dias para completar os cinco anos e ainda terei que realizar a mal afamada  prova. Irónico, eu que já corrigi exames, que já fui directora de turma, directora pedagogica do nocturno, delegada de grupo, com duas pós graduações na área do ensino, e avaliada no ano passado com Muito Bom, terei que realizar  três provas para continuar.

Srª Ministra e Srº Primeiro Ministro que provas realizaram para estarem nesses cargos? Nenhuma certamente "pá", pois senão teriam chumbado, "pá".

Srª Ministra licenciada em sociologia, então com 120 mil vozes na rua e não retira nenhuma conclusão? Em que Universidade andou, afinal?

Já noite dentro fiz o balanço do dia, foi com tristeza que lá estive pois preferia não ter que ir, mas regressei com o sentimento de dever cumprido.

Neste dia muitas lágrimas correram, assim não podemos continuar a ser professores, assim não somos mais professores.



publicado por maria mendonça às 20:08
link do post | comentar | favorito

posts recentes

Olha, quem fala!

Enchemos Lisboa...

pesquisar
 
subscrever feeds
tags

todas as tags

arquivos
links
All recipes are on Petitchef Top blogs de receitas


mais sobre mim